Tags

, ,

Imagine… Perder cada memória. Ver cada detalhe da vida que você construiu, ver cada obstáculo que você ultrapassou, cada amor que você cultivou, cada mínima conquista, se esvaindo, indo embora para nunca mais voltar. Todas as estórias engraçadas, as pessoas te fizeram feliz, os sorrisos que você deu, as vezes que apreciou a lua ou sentiu os raios do sol em um dia bonito, tudo sumindo, sem que você possa fazer nada. Todas as tristezas que acabaram se transformando em aprendizado fogem, você até tenta recordar aqueles momentos que você julgou inesquecíveis quando ocorreram, mas tudo lhe foi roubado. A satisfação de ter feito o bem a alguém, o orgulho de si mesmo, as memórias de criança quando a sua mãe podia protegê-lo de qualquer mal e o seu pai era um super-herói, tudo, tudo mesmo, apenas não está mais ali. Foi saindo aos poucos, sem pedir licença, sem esperar ao menos um pouco para que você pensasse em todos eles de novo antes de perdê-los para sempre.

Imagine sentir sua base, sua esperança, perdendo-se no infinito. Fotos perdem o significado, rostos vêm e vão sem que haja diferença, sem que algo seja capaz de tocar verdadeiramente o seu coração. São apenas estranhos, todos aqueles que um dia foram capazes de te fazer abrir um sorriso sem ao menos se esforçar. Lugares que evocavam sensações, são só lugares. Lugares vazios de lembraças, e vazios de sentimentos.

Imagine… não ter as belas imagens que você tem gravadas dentro de si, não poder se apegar aos momentos da estrada que você percorreu. E, com tudo isso, diga-me se não quer dar valor à vida que teve. Se não quer sorrir apesar de tudo, se não quer viver apesar de tudo. Mesmo que seja cruel. Mesmo que cause dor. Diga-me se não quer guardar cada momento. Eu quero.

Anúncios