Tags

,

Image

Escreve-me como quiseres,
Dê a esta tela as cores.
Olha-me bem e espelha
As alegrias e meus morrer-de-amores.
Imortaliza-me na tua escrita
Faze-me tua personagem.
Empresto-te meus modos (aflita!)
Esperando tua resposta sem coragem.
Imagens bonitas, verdades não ditas
Expressa o que sente, mas note
Que entre as lágrimas mais doídas
Dediquei-te amor de muitas vidas,
Para além da morte.
Amargo ou com afeto,
Molda-me entre tuas palavras.
Mas tenha esmero, menino (pois veja que estranho!)
– O que sinto tem nome,
Mas não tem tamanho.

Anúncios