Se você tiver a chance de ficar sentado ou dançar, dance. Porque ninguém liga se você dança mal, mas é tão importante pra uma pessoa saber que participou, que fez o que queria, que viveu de verdade.

“Viveu de verdade”. Porque viver de verdade não é respirar, comer, dormir e parar de vez em quando pra fingir que está vivendo. Viver de verdade é aproveitar. Por mais clichê que pareça, a vida é curta. E quando o tempo passa (voando, aliás), você não quer se lembrar que não falou isso, que não abraçou, que não dançou.  Você quer se lembrar do quanto foi feliz, do quanto falou o que queria (mesmo que não desse certo às vezes), abraçou quando teve vontade (mesmo que a pessoa não parecesse querer – às vezes quem não quer um abraço é quem mais precisa) e dançou (mesmo que mal- ao menos você teve coragem de levantar e dançar).

Porque carregar arrependimentos é levar uma bagagem pesada e sem-sentido, quando você pode muito bem carregar pequenas e grandes alegrias (alguns micos, talvez, mas ainda assim boas lembranças), essas, sim, leves e agradáveis, do tipo que você olha no final da viagem que voltou com ainda mais coisa, e mesmo assim sorri porque tudo valeu a pena.

Talvez você não enxergue na hora, mas muitas coisas valem a pena. Vale a pena dar aquela palavra de consolo que muitos precisam e poucos pedem. Vale a pena passar horas e horas ouvindo o quanto aquela pessoa sofreu – um dia você pode estar assim, e sempre saberá a quem recorrer. Valeu a pena correr, brincar, pular na cama, pular no pescoço de alguém. Amar, chorar, sofrer, sorrir. No final, você sempre aprende alguma coisa. Com certeza, muito mais do que teria aprendido apenas ficando sentado enquanto todos dançam.

Aprender… tantos falam em aprender. Não se aprende só na escola. Ou você acha que alguém que sabe as capitais de todas as cidades do mundo e não entende um olhar ou não tem pra quem ligar quando precisa de um conselho é uma pessoa realizada? Não é. Porque claro que é importante aprender matemática, português, história, geografia. Mas também é bom saber que entender números e palavras não é como lidar com pessoas. Pessoas são complicadas, mudam de repente. Falam que não se pode entender as mulheres. Eu diria que não se pode entender as pessoas.

O que não quer dizer que não podemos tentar. Podemos tentar, por que quem sabe não encontremos gente que vale a pena? Gente em quem se possa confiar, que se possa contar em qualquer situação, com quem se possa rir e chorar. Sem tentar, como saber? Eu morrerei tentando. Essa é uma das razões para aproveitar a vida. Vamos, não carregue arrependimentos. Carregue pessoas de valor. Sorrisos. Amizades. Amores. Danças na chuva. Micos memoráveis. Felicidade. Nunca saberemos quando um momento se tornará inesquecível, então aproveite cada um deles ao máximo. Afinal, no fim da viagem, o que você quer ver quando se lembrar dela? Comece agora. Levante e dance.

Anúncios